Balonismo

História do Balonismo

A primeira demonstração de um objeto voador foi feita pelo brasileiro Padre Bartholomeu de Gusmão, que em 1709, com apenas 23 anos, apresentou ao Rei João V de Portugal, em Lisboa, um balão que subiu cerca de 04 metros de altura.

No entanto, a apresentação não obteve sucesso e o balão se incendiou. A apresentação acabou por causar pânico e correria entre os presentes, o que levou o projeto ao descrédito. Assim, foi desperdiçada a chance do “Padre Voador”, como era chamado, ser reconhecido como o “Pai dos Balões”, mas ainda pode ser creditada a ele a descoberta e comprovação, de que algo mais pesado que ar poderia planar.

Antes do Padre Bartholomeu, no entanto, a teoria mais aceita é a de que os índios Nazca do Peru teriam feito um balão com fibras vegetais existentes naquela região e que assim, teriam sobrevoado o deserto de Nazca entre os anos de 300 D.C. e 800 D.C.

Surgimento oficial em Paris

O surgimento oficial do balão remonta ao ano 1783, na França, onde dois irmãos Etienne e Joseph Montgolfier realizaram um teste com balão. Este balão levou a bordo alguns animais que retornaram ao solo em perfeitas condições assistidos pelo rei Luiz XVI e por toda a população parisiense da época. O voo foi considerado um sucesso e visto por quase toda a população de Paris da época.

Balonismo no Brasil

Há registro de que o primeiro vôo de balão no Brasil teria sido feito não por brasileiros, mas por dois americanos, J. e E. Allen em 1867. No entanto, alguns brasileiros se sobressaíram no desenvolvimento do balonismo pelo mundo.

Além de Bartholomeu de Gusmão, com sua tentativa frustrada de voo em 1709, em 1884, o brasileiro Júlio Cezar Ribeiro de Souza (1843-1887) patenteou em Paris o dirigível Victória (subvencionado pela Assembleia de sua província, região que corresponde ao atual Estado do Pará), que voou contra o vento e em linha reta. A primeira ascensão do Victória ocorreu em 8 de novembro de 1881. O brasileiro escreveu um livro “Memórias do novo sistema de navegação aérea” que estabeleceu as bases da aerodinâmica. Mais tarde por problemas financeiros não pode continuar seus projetos, mas as leis que descobriu foram aplicadas por Alberto Santos Dumond 20 anos mais tarde, na mesma Paris.

Em 1893 Augusto Severo de Albuquerque Maranhão construiu em Paris um dirigível com o nome de "Bartholomeu de Gusmão”, em homenagem aos esforços do “Padre Voador”.

Mais tarde, Alberto Santos Dumont (1873-1932), iniciaria a construção de sua série de dirigíveis! No dia 4 de julho 1898, Santos Dumont elevou-se aos céus em um balão, chamado de “Brasil” com 6 metros de diâmetro, invólucro de seda japonesa envernizada e capacidade de 113 m³ de gás e um peso de apenas 14 quilos.

Em 1901 na França, Santos Dumont, com seu dirigível número 3 partiu de Vaugirard e foi em direção ao campo de Marte, já fazendo de tudo e indo aonde queria. Com o número 6 deu a volta na Torre Eiffel no dia 19 de outubro do mesmo ano, o que fez com que ganhasse o Prêmio Deutsch de La Meurthe, de 125 mil francos. Santos Dumont, com seu aprendizado de construção de aeronaves fez vários dirigíveis, até que acabou de construir uma aeronave mais pesada que o ar. A construção por Dumont de um balão de 186 m³ com hélice serviu de base para o famoso 14 BIS, mas não podemos esquecer que Santos Dumont voou primeiro num balão comum, tão livremente como fazem os balonistas atuais.

Curiosidades

-VERDADEIRO NASCIMENTO DO BALONISMO ocorreu quando os irmãos franceses Etienne e Joseph Montgofier, fabricantes de papel, procuravam novas aplicações para o seu produto. Iniciaram então a construção de um balão, cujo primeiro teste, realizado em 5 de junho de 1783, foi permitido pelo rei da França desde que não houvessem seres humanos como passageiros. Assim, o primeiro voo de balão que se tem documentado, teve como passageiros um carneiro, um galo e um gato.

-O explorador polar Amundsen, depois de conquistar o Polo Sul de balão, esteve na primeira travessia do Polo Norte, em 1926. Dois anos depois, entusiasmado com a experiência, repetiu pela última vez a viagem, pois foi vítima de um acidente de aterrissagem. Por isso, OS BALÕES MODERNOS POSSUEM PÁRA-QUEDAS INTERNO que, quando acionado, abre um tampão no alto, por onde o ar quente escapa; assim o balão perde altura com relativa lentidão e a aterrissagem se faz com pequeno impacto.

-O fotógrafo Félix Nadar, em 1858, tirou A PRIMEIRA FOTOGRAFIA AÉREA DA CIDADE DE PARÍS a bordo de um balão. À partir daquele negativo, NASCEU A AEROFOTOGRAFIA. Dos balões, geógrafos, zoólogos, meteorologistas e exploradores mapearam o mundo.

-Desde muito tempo, descobriu-se que os balões poderiam prestar bons serviços à espionagem nas guerras. Napoleão Bonaparte usava-os para observar as movimentações na retaguarda do inimigo e estudar o terreno da batalha; para tanto, criou o primeiro Corpo Militar de Balões. Durante a Guerra Civil Americana (1867-69), ambos os lados utilizaram balões ancorados, como postos de observação. Também, NA GUERRA DO PARAGUAI, O BRASIL APROVEITOU OS BALÕES PARA OBSERVAÇÃO MILITAR.

-A PRIMEIRA TENTATIVA DOCUMENTADA DE VOAR DE BALÃO FOI DE UM BRASILEIRO. Em 1709, o Padre Bartolomeu de Gusmão apresentou seu engenho, denominado de Passarola, à Corte do Rei D. João V. Na primeira tentativa, o balão incendiou-se no Palácio Real, gerando verdadeiro pânico. Na segunda, o balão conseguiu subir quatro metros, quando foi destruído por dois guardas, receosos que o padre voador provocasse outro acidente. Acusado de feitiçaria, o infeliz inventor foi perseguido.

-Desenhos encontrados no planalto de Nazca, no Peru - além de um vaso de barro com o desenho de um balão, exposto no Museu de Lima - levam a crer que O PRIMEIRO BALÃO DE AR QUENTE PODE SER SIDO CONSTRUÍDO HÁ MAIS DE 2 MIL ANOS, pelos índios Nazca.

-Devido as suas características geográficas, a cidade de JOINVILLE-SC É CONSIDERADA UM DOS LUGARES MAIS DIFÍCEIS PARA VOAR DE BALÃO NO BRASIL.

-Em 1º de dezembro de 1783, o francês J.A. Charles realizou o PRIMEIRO VOO LIVRE EM UM BALÃO IMPULSIONADO POR HIDROGÊNIO.

-Por meio de um balão de ar quente, o capitão do exército americano Hawthorme C. Gray, durante estudos da atmosfera, em 1927, chegou a 12.740 m. Porém, em seu segundo voo, infelizmente aterrissou morto.

-Na sétima corrida de balões Gordon Bennet, em 1912, um balão cobriu 2.190 km, voando de Stuttgart, na Alemanha, até as proximidades de Moscou, na Rússia.

-Em 1785, dois homens levavam uma mensagem da França para Inglaterra, realizando a travessia do Canal da Mancha. Contudo, o balão no qual estavam começou a perder altitude no final da viagem. Desesperados, livraram-se de quase todas as roupas e demais acessórios, inclusive do desprezível peso da primeira carta aérea. Assim, os dois fizeram a travessia inaugural, chegando sãos e salvos, mas quase nus. A mensagem ficou no mar, porém o CORREIO AÉREO SE TORNARA REALIDADE.

Mídia

Mais nesta categoria: « Trekking

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.




Belo Horizonte

"A capital do esporte de aventura".

                      

Facebook        Instagram